quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Vila Galé oferece pacotes de carnaval nos resorts do Brasil

Vila Gale Cumbuco - Ceará
Andar de buggy pelas dunas de Cumbuco, relaxar ao sol da praia de Guarajuba, desfrutar das belezas do litoral potiguar ou mergulhar nas águas calmas de Cabo de Santo Agostinho. Neste carnaval, a Vila Galé, maior rede de resorts do país, oferece pacotes promocionais de quatro ou cinco noites para os que desejam se hospedar em sistema tudo incluído aproveitando essas facilidades. Sob o tema “Galé do Carnaval: Uma homenagem a todos os carnavais do Brasil”, os resorts terão programação específica, incluindo festas temáticas, fazendo alusão aos principais blocos de carnaval do Rio de Janeiro, Bahia e Pernambuco, além de diversas atividades para adultos e crianças.
Para os que buscam conhecer um pouco mais sobre as belíssimas praias de Pernambuco, a dica é o pacote de quatro noites no Vila Galé Eco Resort do Cabo, a partir de 6x de R$ 448* por pessoa em apartamento duplo. Se a ideia é mergulhar nos Parrachos de Perobas e visitar a Vila de São Miguel do Gostoso, a dica é hospedar-se no Vila Galé Touros. O pacote de quatro noites sai a partir de 6x de R$ 448 por pessoa*.
Vila Gale Marés - Bahia

Já o Vila Galé Marés, na Bahia, e o Vila Galé Cumbuco, no Ceará, oferecem pacotes de cinco noites a
partir de 6x de R$ 560 por pessoa*. Todos os pacotes funcionam em sistema tudo incluído. As reservas podem ser feitas através do site oficial da Vila Galé: www.vilagale.com 

*Valor por pessoa em apartamento duplo. Preços podem sofrer alterações sem aviso prévio.

domingo, 17 de fevereiro de 2019

Ministra sinaliza atender demandas do setor agro no Ceará

Ministra foi recepcionada por empresários, como o
diretor da Rosas Reijers, Roberto Reijers.FOTO: HELENE SANTOS
A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina, sinalizou atender as demandas que estão no radar da Pasta que comanda, em sua primeira visita ao Ceará, ontem (15). Segundo a titular do Mapa, que acompanhou os fluxos de produções de três empresas no Estado, o fortalecimento da assistência técnica aos produtores terá espaço em sua gestão, além da flexibilização do uso de defensivos agrícolas.
"O Ministério está trabalhando na simplificação dos processos de governança, mas hoje (a decisão em relação aos defensivos agrícolas) é do Congresso Nacional. Fui presidente da Comissão Especial que aprovou um Projeto de Lei, mas ele precisa ainda ser votado na Câmara dos Deputados, no Senado, a modernização de todos esses processos para que se simplifique e não se precarize", avaliou.
O projeto ao qual se referiu a ministra é o PL 6299/02. O texto prevê que esses produtos possam ser liberados pelo Ministério da Agricultura. No último ano, empresários do setor agro se manifestaram contra a sanção pelo Governo estadual de uma lei que impede os produtores de fazer a pulverização por meio de aviões.
A presença da ministra e a menção ao assunto também provocaram manifestações contra o uso dos defensivos durante a visita dela ao Ceará.
Apoio a produtores
De acordo com a ministra, um levantamento no Nordeste apontou 91 cadeias produtivas que devem receber apoio. "Eu vejo que a assistência técnica é importante. Aqui é muito abaixo do que os produtores precisam", avaliou a ministra, acrescentando que a política de desenvolvimento para o Nordeste será pensada de forma conjunta com outros ministérios.
Problemática enfrentada por pequenos produtores desde o ano passado, o hiato no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) é visto pela ministra da Agricultura como um problema de "falta de orçamento". Ela prevê que a iniciativa deve ser retomada imediatamente, assim que houver recurso disponível.
"O projeto não foi finalizado, acabou o dinheiro, porque você tem o orçamento anual, mas continua firme e estamos trabalhando já o próximo Plano Safra e ele vai estar dentro disso aí também. Esse projeto não acabou, porque acabou o ano e entrou um novo Governo, mas o programa não acabou, o programa continua forte", pontuou.
Já no Rio Grande do Norte, onde visitou a produção de melões da Agrícola Famosa, Tereza Cristina afirmou que voltará "dentro de três meses com ações concretas para a geração de emprego e renda, principalmente para o pequeno produtor".
Nordeste não é só seca
A titular da Pasta revelou que ficou "encantada" com o que viu no Nordeste e que caiu por terra a impressão de que o Nordeste "é só seca". "Aqui, eu acho que nós vimos o que pode dar certo", disse.
"Nós estamos fazendo um reconhecimento porque devemos lançar em breve um trabalho em conjunto com outros ministérios, uma política voltada para o Nordeste brasileiro, que foi um pedido do presidente Jair Bolsonaro", destacou a ministra.
"O que nós queremos é conhecer um pouco de tudo: onde precisa de apoio, onde já tem apoio, casos de sucesso e o que é possível implementar mais, quais os gargalos... Enfim, no que a gente precisa trabalhar para chegar ao produtor rural, principalmente, no pequeno, no agricultor familiar, essas políticas públicas", detalhou Tereza Cristina.
Demandas
Enquanto percorria os municípios cearenses acompanhada pelo senador Tasso Jereissati e demais lideranças do Estado, a ministra falou ainda sobre o episódio dos lotes de frango contaminado com salmonela recolhidos pela Perdigão nesta semana, e assegurou que pretende intensificar o autocontrole por parte das próprias empresas.
"Isso faz parte da política que o Ministério quer, cada vez mais, implantar, que é o autocontrole. A empresa identificou (a contaminação) e nos comunicou", declarou a ministra Tereza Cristina.
"O ministério está auditando. E quem tem que cuidar da qualidade é a empresa, que fez isso, que é público. (...) A gente tem que dar publicidade e mostrar que as ações foram feitas rapidamente, retirando do mercado os contêineres (contaminados) e voltando para suas origens", completou, já no fim da visita ao Ceará, antes de ir ao Rio Grande do Norte.
com Diário do Nordeste

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Agenda de desestatização une parceiros públicos e privados no BNDES

Joaquim Levy, presidente do BNDES e Paulo Guedes, Ministro da Economia
no evento marcou a conclusão do trabalho do Banco na estruturação dos
projetos de desestatização das distribuidoras do Sistema Eletrobras.
Nesta sexta-feira, 8, aconteceu o seminário ”Desestatizações no Setor Elétrico: Distribuidoras federalizadas, o papel do BNDES e parceiros institucionais”, com as presenças do ministro da Economia, Paulo Guedes, do presidente do BNDES, Joaquim Levy, ministros e autoridades do Governo Federal, agências reguladoras, Eletrobras e as companhias vencedoras dos leilões. O evento marcou a conclusão do trabalho do Banco na estruturação dos projetos de desestatização das distribuidoras do Sistema Eletrobras. 

As distribuidoras Amazonas Energia, Boa Vista Energia, Cepisa, Ceal, Eletroacre e Ceron — federalizadas nos anos 1990 como parte do programa de saneamento fiscal dos Estados — foram, em 2016, qualificadas pelo Programa de Parceiras de Investimentos (PPI), tornando-se elegíveis para privatização. Coube então ao BNDES executar o processo, papel definido no Programa Nacional de Desestatização, conforme a Lei n. 9491/1997. 
De novembro de 2016 a dezembro de 2018, a Área de Desestatização e Estruturação de Projetos do BNDES realizou etapas de estudos técnicos de modelagem, articulação com os governos estaduais, investidores, Elebras e órgãos de controle, assim como o acompanhamento dos leilões e eventos de liquidação. 
Para o presidente Levy, o papel do Banco de desenvolvimento na solução dos problemas de infraestrutura vai além da excelência na execução técnica que é típica do BNDES, cobrindo também a articulação com o poder concedente, agências regulatórias, investidores e órgãos de controle. “Além da agilidade e qualidade, buscamos cooperar com parceiros institucionais para garantir a conformidade e segurança jurídica capazes de tornar o ativo interessante para o setor privado e trazer o melhor para a sociedade”, disse ele na abertura do seminário. 
A visão de mercado e conhecimento setorial das equipes do BNDES foram comparadas por Levy à capacidade do banco usar seu balanço no financiamento de projetos.  Ele sublinhou que o BNDES está pronto para cooperar na desestatização e nas novas concessões em logística, saneamento e transporte de gás natural, entre outros setores, sublinhando que “a maior contribuição que o BNDES oferece muitas vezes são seus recursos humanos, experiência e capacidade de equilibrar diferentes interesses. Fornecemos soluções que trazem vantagens para todos os lados: investidores, Estado e sociedade”. 
Seguindo-se à fala do presidente, o primeiro painel do evento — “Distribuição de Energia Elétrica, Desenvolvimento e Mercados” — contou com a participação dos ministros Paulo Guedes, general Carlos Alberto dos Santos Cruz (Segov), José Mucio Monteiro Filho (TCU) e da secretária executiva Marisete Pereira, representando o ministro Almirante Bento Albuquerque (MME). 
Segundo Paulo Guedes, é necessário completar a transição de modelo econômico — praticado nas últimas décadas —, diminuindo a participação de empresas estatais nas áreas de infraestrutura e incentivando estados e municípios a atuar com mais eficiência em saúde, educação e segurança pública. 
Para Guedes, o BNDES pode exercer papel transformador, ajudando a superar os problemas causados por estatais disfuncionais e viabilizar novas concessões, inclusive no nível dos estados. “O modelo de desestatização aplicado às distribuidoras deve ser reproduzido em outros setores. Há muito trabalho a fazer”, sinalizou. A fala foi acompanhada pelo ministro Santos Cruz. Segundo ele, “O investidor precisa de qualidade técnica, segurança jurídica e honestidade para investir. E esse será o nosso foco”. 
A secretária-executiva do Ministério de Minas e Energia, Marisete Pereira, destacou que outro ponto fundamental para o sucesso é a articulação entre os atores envolvidos: “Só conseguimos sucesso na desestatização das distribuidoras porque vários órgãos trabalharam com o mesmo objetivo", disse. Na mesma linha o presidente do TCU, José Mucio, afirmou que o Tribunal quer ser um parceiro das iniciativas desde o início, já incorporando a competência do órgão de controle. 
Participante do segundo painel — “Desestatização das Distribuidoras Federalizadas" — o secretário Especial de Desestatização e Desinvestimento, Salim Mattar, defendeu que o BNDES deve utilizar “a expertise acumulada na estruturação de privatizações e PPPs” para contribuir em processos semelhantes ao das distribuidoras. 
Também presente ao segundo painel, o secretário especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Adalberto Santos de Vasconcelos, destacou o que ele considera um dos principais gargalos para o país avançar na melhoria d esua infraestrutura: "Quando entrei no PPI existia uma carteira de obras, hoje, temos uma excelente carteira de projetos”, disse. 
Participaram ainda do encontro o presidente da Eletrobras, Wilson Júnior, e representantes da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), Energisa, Equatorial, Oliveira Energia. Com a realização dos leilões das seis distribuidoras, Wilson Araújo prevê alívio no balanço da holding, com a interrupção dos aportes de recursos públicos e a transferência de R$ 9,3 bilhões em dívidas para os controladores privados.   
Também se espera uma rápida melhora nos serviços de distribuição de energia aos estados atendidos, beneficiando cerca de 13,6 milhões de pessoas. Os novos controladores — Energisa, Equatorial e Oliveira Energia — se comprometeram a capitalizar as empresas em R$ 2,4 bilhões e a investir, nos próximos cinco anos, R$ 6,7 bilhões na melhoria e expansão dos serviços de distribuição de energia. 
Fonte: Assessoria de Imprensa BNDES

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Projetos de inovação de alunos do SENAI Ceará disputam premiação nacional

Os projetos dos alunos do SENAI concorrerão em todo Brasil
Seis projetos de inovação desenvolvidos por alunos do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI Ceará) estão em votação na plataforma do Itinerário SENAI de Inovação, concorrendo com projetos de todo Brasil no Desafio SENAI de Projetos Integradores. Eles foram os vencedores da etapa estadual, realizada em novembro de 2018. Os projetos dividem-se em duas categorias: Aprendizagem e Técnico. A votação acontece até 6/2.
Nessa etapa nacional, estão disputando os votos, na categoria Aprendizagem, os projetos QR Log, Nobreak Econômico e Processo Eficiente de Reutilização de Retalhos. Na categoria Técnico, concorrem os projetos Dispara Roupas, My Squad – Personal Shopper System (PSS) e Rainbow – Coco Kahlo.
Como prêmio, os vencedores serão premiados com troféu para a equipe, certificado e medalha para cada participante e curso presencial a ser escolhido por cada participante no valor de até R$ 1.000,00. Para votar, basta acessar o link de cada projeto e clicar em curtir, no canto esquerdo da página, abaixo do botão "DETALHES".
Projetos em votação
QR Log - Realiza controle de bens materiais da empresa e de sua transferência de local/setor, com intuito de facilitar a checagem da carga patrimonial, facilitando sua rastreabilidade. O projeto possibilitará realizar inventário de patrimônio e acompanhar a movimentação de bens de maneira mais rápida, prática e segura, necessitando apenas de um dispositivo Android, reduzindo custos e mão de obra.
Clique AQUI para votar.
 

Nobreak Econômico - Busca reduzir os custos adicionais na conta de energia cobrados em horário de pico por meio de monitoramento do consumo em tempo real em KWh dos equipamentos acoplados ao equipamento via internet para maior controle dos gastos mensais com energia elétrica.
Clique AQUI para votar.
 

Processo Eficiente de Reutilização de Retalhos - Utilizar retalhos que estariam sendo descartados na natureza, triturando-os para revestir necessaires para acondicionar lingeries produzidas para comercialização. O projeto visa diminuir o desperdicío de materiais gastos no processo de fabricação de lingeries (setor de corte) agregando valor ao produto final e lucros à empresa.
Clique AQUI para votar.
 

Dispara Roupas - Equipamentos que diminuem tempo de confecção e, consequentemente, aumento de produção. Por meio de esteira, bancada, sensores e balança busca manter produção individual linear e constante por meio da determinação do ritmo de trabalho do operador de máquinas de costura, diminuir quantitativo de auxiliares de produção para retirada de peças produzidas, valendo-se do uso de dispositivos de segurança para parada de movimento diante de imprevistos que possam surgir e controlar a contagem de peças sem a necessidade da conferência manual por um auxiliar de produção a cada hora do dia.
Clique AQUI para votar.
 

My Squad – Personal Shopper System (PSS) - Aplicativo para tablet e celular que permite visualização tridimensional de todos os produtos expostos através do reconhecimento via QR code/código de barras/imagem; localização da peça verificando a disponibilidade da mesma no estoque ou em qualquer ambiente da loja, caso não seja visível em sua arara (através do RFDI/GPS); interação do consumidor com tamanho, cor, modelo e texturas dos tecidos disponíveis do produto; possibilidade de compra e reserva de peças.
Clique AQUI para votar.
 

Rainbow – Coco Kahlo - Cartilha digital com normas estabelecidas, desde os direitos trabalhistas aos sociais, com objetivo de proteger e pôr em prática os direitos das mulheres dentro das indústrias, dos comércio e das instituições de forma educativa, estando a mesma disponível online em um site próprio para consulta de todos, com versão em PDF para downloads ou consulta virtual, selo de compromisso e ranking, valorizando a indústria a partir das boas práticas e fomentando a motivação das colaboradoras.
Clique AQUI para votar.
 

Desafio SENAI de Projetos Integradores
É uma iniciativa do SENAI para desenvolver, em seus alunos de cursos técnicos, a capacidade de trabalhar em grupo, propor ações inovadoras e pensar de forma empreendedora. Essas competências são cada dia mais requeridas nas organizações, onde o trabalho em equipe com profissionais de diversas áreas tem se mostrado fundamental para o sucesso de uma ação. O Desafio é dividido em duas etapas: regional e nacional.

Fonte: Comunicação Sistema FIEC